Há pouco, assisti ao trailer do novo filme do Will Smith chamado Beleza Oculta. Nele, Smith, que perde a filha prematuramente, entra em um estado de luto e a forma que encontra para lidar com isso é escrever cartas para o Amor, para o Tempo e para a Morte.

Recebi uma carta esta semana, mas já adianto que não faço parte da tríade citada acima. Contudo, sou alguém que ama escrever mensagens e acredita na beleza escondida na vida e nas pessoas. Assim, peço licença para assumir o papel de mensageira de uma história incrível de recomeços, de busca da melhor maneira de lidar com as perdas e com o renascimento.

A quem possa interessar, escrevo sobre alguém que ainda não sabe que eu existo, mas olhando seus movimentos e suas lutas, eu o observo e o transformo numa das mais bonitas personagens das minhas histórias.

Júlio Antônio estava treinando Karatê quando o vi pela primeira vez. Muito mais que seu Kimono e sua concentração, no seu mexer de braços e pisar de chão eu já sabia o quanto ele caminhou para estar aqui.

Júlio sofreu um acidente ao lado do filho em Julho de 2013. Ele ficou em coma, foi invadido por cortes e incertezas.  Um caminhão o encontrou numa estrada em que ele não escolheu estar. E mudou tudo. Transformou o tempo, a realidade, os sonhos. Sua consciência apagada, perdeu o baço, uma parte do fígado, uma perna. Perdeu o rumo.

Júlio Antônio Almeida, primeiro sargento e mecânico de armamentos, também adestrava cães do exército, mas não pode ensinar o destino sobre o momento em que estava preparado para ver sua vida transformada. Entrou em depressão, mas tudo bem. Ele precisava deste tempo, de viver este luto e voltar para o tatame.

Ele voltou a lutar.

Lutou pra sair de casa e conseguiu. Lutou contra seus medos e conseguiu. Lutou para chegar ao tatame e conseguiu. Uma prótese, muitas quedas, difícil se adaptar a um membro que não fazia parte da nossa história, mas agora nos leva para outros caminhos. Júlio continua treinando, muito. Treina resiliência, treina esta coisa bonita que se chama lidar com a vida.

Ele está no Karatê, lá em sua cidade no Espírito Santo. É um exemplo para seus colegas e todos que acabam por conhecê-lo, mas ainda existe uma pedra neste novo caminho: Sua prótese não é adequada à pratica do esporte e, com certa dificuldade, ele não desiste da luta.

Esta carta é um pedido de busca. Gostaria que ela chegasse a qualquer profissional que pudesse ajuda-lo na indicação de uma prótese adequada para a prática deste esporte e até quem sabe ajuda-lo a adquiri-la.

Esta não é uma carta endereçada. Mas assim como aquelas mensagens de garrafa que jogamos num mar de possibilidades, eu a jogo no universo esperando que ela chegue logo, o mais rápido possível para que Júlio acelere seus passos e golpes de coragem.

Obrigada.

P.S.: Foi uma honra ser a sua mensageira, Júlio. Boa sorte!

Anúncios